Grandes Embustes (parte 1): Liderança

Para convencer os acionistas de empresas de capital aberto a permitir que se fosse gasto com a remuneração do corpo gerencial absurdamente mais que o resto dos funcionários, foi criado o mito da liderança. Em resumo, este mito é o seguinte:

Líderes são necessários, fundamentais. Os líderes possibilitam que uma empresa faça coisas e atinja resultados que, na falta dos mesmos, jamais conseguiria. Liderar é uma tarefa complicadíssima. Ainda assim os líderes nunca erram. As empresas devem investir pesadamente na formação de líderes.

Vejamos cada parte do embuste separadamente:

1 – Líderes são necessários, fundamentais.

Não são. Uma equipe pode e é capaz de trabalhar sem a figura de um líder, principalmente de um líder formal sugando recursos que seriam mais proveitosos se distribuídos para melhorar toda equipe. O simples fato de uma orquestra conseguir renome internacional sem maestro mostra que um líder formal não é fundamental:

http://www.orpheusnyc.com/The_Orchestra.html

2- Os líderes possibilitam que uma empresa faça coisas e atinja resultados que, na falta dos mesmos, jamais conseguiria.

Essa frase é uma mentira, uma meia-verdade ou mesmo uma verdade, dependendo da interpretação.

É uma mentira no sentido que faz parecer que um líder corporativo consegue fazer telecinésia ou transmutação de matéria, o que inclusive é o que deveria ser esperado diante do que eles normalmente ganham em relação aos outros funcionários, mas que não é o caso.

É uma meia-verdade no sentido que uma equipe pode ser controlada/motivada a fazer coisas que normalmente não fariam, mas dificilmente pode ser motivada a fazer mais daquilo que já sabe fazer…

É uma verdade no terrível sentido do grande perigo moral criado pela liderança. Os experimentos de Milgram e inúmeros outros experimentos semelhantes nos mostram que deveriamos estar sendo treinados para resitir ao instinto primitivo de sucumbir o senso crítico e moral à figura do líder, i.e, a resistir a liderança e não a louvá-la e a querer criar a mesma a todo custo. Um líder pode reduzir o valor moral de um grupo ao de um único (e nem sempre bom) indivíduo.

3 – Liderar é uma tarefa complicadíssima.

É engraçado reparar que o comportamento de pássaros em bando é apontado como exemplo de liderança por profissionais dedicados a manter vivo o embuste da liderança. Na verdade, cada pássaro segue um algoritmo simples de 3 regras sem nenhum controle central:

http://www.red3d.com/cwr/boids/

Como um líder não produz absolutamente nada sozinho, é impossível avaliar se ele teve alguma influência no resultado ou se o resultado não seria o mesmo (ou melhor) sem a sua presença. No fundo complicado mesmo é atribuir valor a uma tarefa que realmente só pode ser medida a partir do alinhamento das pessoas, medida a qual por sua vez é apenas uma medida de poder.

4 – Os líderes nunca erram.

Vender essa idéia falaciosa é na minha opinião a meta mais desafiadora de quem se dedica a propagar o embuste. Basicamente, ela consiste em convencer os outros de que um líder não é, na verdade, quem lidera, mas alguma outra coisa que fica (surpresa?) realmente muito difícil definir. Sendo assim, Adolf Hitler não foi realmente um líder, foi um falso líder, foi alguma outra coisa. Na verdade, nesse ponto de vista ele no fundo é uma inconveniência…

Outras figuras históricas igualmente controversas mas já com maior distanciamento temporal sofrem um tratamento ainda mais estranho: Napoleão foi e não foi um líder. Foi um líder até certo ponto, foi um líder só enquanto estava ganhando… Bom nisso acaba ficando parecido com o líder corporativo formal que só é líder enquanto tem o cargo formal.

5 – As empresas devem investir pesadamente na formação de líderes.

Não devem. Isso apenas serve para inibir as lideranças naturais que poderiam se formar na empresa, de qualidade muito superior. Serve para gerar uma tremenda decepção e serve para criar um monte de problemas.

Eu até entendo que para uma mega e pesada corporação o mais fácil e talvez o melhor seja realmente formalizar algumas lideranças naturais e andar como um dinossauro. Mas esse não é o tipo de empresa cujas ações dão lucro, esse é o tipo de empresa que tende a desaparecer no futuro.

Se você é acionista, muito cuidado para não acreditar nesse embuste, ele foi criado especificamente para você. Invista em empresas ágeis. Se você for dono de uma empresa, não caia num embuste que sequer foi criado para você! Deixe os seus funcionários trabalharem em paz. Ou pelo menos não seja um otário, seja um líder! Você vai ser tão bom ou ruim quanto qualquer outro e vai ser muito mais barato.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s